Total de visualizações de página

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Rodeio de montaria 2017

Segunda informação dos organizadores,um dos maiores evento estará prestes acontece no mês de Setembro, mais uma vez Jacareacanga irá  sediar uma dos maiores eventos de todos os tempos,desta vez segunda informação promete atrair Record de público,com isso faz aquece a economia local, além de um esporte de monetária profissional é uma paixao que vem crescendo a cada evento,isso já se tornou tradição em cada edicão,além de atrair muitos turistas de outros Estados e  região vizinhas ,que ja frequentam,traz para o município credibilidade dos pecuaristas,sem falar na reda extras para as famílias que trabalham na exposição.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Reivindicações indiginas

Indígenas Munduruku ocupam UHE São Manoel e exigem reparação por destruição de locais sagrados

Publicado em: 17/07/2017 ás 10:27:00
Fonte: xinguvivo.org.br



Na madrugada deste domingo, 16, cerca de 200 indígenas munduruku do médio e alto rio Tapajós e do baixo rio Teles Pires, representando as 138 aldeias da região, ocuparam o canteiro de obras da Usina Hidrelétrica (UHE) São Manoel na fronteira entre o Mato Grosso e o Pará. A ocupação foi o desfecho de uma série de atividades que reuniu o grupo na aldeia Teles Pires desde o sábado passado, e foi decidida durante o segundo encontro das mulheres mundurukurealizado em meados de maio na aldeia Santa Cruz, no município de Jacareaganga (PA).

Em documento divulgado na manhã deste domingo, os munduruku afirmaram que “nossos locais sagrados Karobixexe [as corredeiras de Sete Quedas do Teles Pires, inundadas pela UHE Teles Pires] e Deku ka’a foram violados e destruídos. Nossos ancestrais estão chorando, segundo nossos pajés. Os nossos rios Teles Pires e Tapajós estão morrendo. Nossos direitos, que estão garantidos na Constituição Federal, e que passaram a existir depois de muito sangue indígena ser derramado, estão sendo violados. Nem mesmo o nosso protocolo de consulta foi respeitado”.

No final de 2016, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) decidiu pela obrigatoriedade da realização de consulta prévia, livre e informada como prevê a Convenção 169 da OIT aos povos indígenas Kayabi, Munduruku e Apiaká, atingidos pela usina hidrelétrica de Teles Pires. A UHE São Manoel também impacta os três grupos.



Em 2014 os munduruku do Tapajós construíram um protocolo de consulta com base nas previsões da Convenções 169 que foi entregue ao então Secretário Geral da Presidencia, Miguel Rossetto, como representante do governo federal, em fevereiro de 2015. Desde então, apesar do endosso da Justiça, não foi dado nenhum encaminhamento a processos de consulta.

Além da destruição das corredeiras de Sete Quedas, a construção das hidrelétricas no rio Teles Pires também levaram à retirada de doze urnas mortuárias e vários artefatos arqueológicos com dimensão sagrada de uma região próxima a Sete Quedas. Estes crimes contra a espiritualidadedo grupo tem gerado muitas preocupações entre os munduruku.

“Depois de ouvirmos as mulheres munduruku, foi decidido que estaríamos aqui pacificamente no canteiro da hidrelétrica São Manoel por motivos e dores. A gente não está aqui invadindo. O único invasor é o governo, e as empresas responsáveis pelas hidrelétricas que estão sendo construídas no Teles Pires. Nós, povo Munduruku, estamos aqui em nosso local sagrado. Sabemos que nossa luta é legítima (…). Queremos que nossas pautas e reivindicações sejam atendidas e não sairemos daqui sem que isso aconteça”, afirmaram os munduruku em documento, divulgando posteriormente a lista de reivindicações (veja imagens abaixo). De acordo com as lideranças, neste domingo apenas a responsável pelo Plano Basico Ambiental Indígena (PBAI) foi ao canteiro para fazer contato com os manifestantes

Reivindicações indiginas

Indígenas Munduruku ocupam UHE São Manoel e exigem reparação por destruição de locais sagrados

Publicado em: 17/07/2017 ás 10:27:00
Fonte: xinguvivo.org.br



Na madrugada deste domingo, 16, cerca de 200 indígenas munduruku do médio e alto rio Tapajós e do baixo rio Teles Pires, representando as 138 aldeias da região, ocuparam o canteiro de obras da Usina Hidrelétrica (UHE) São Manoel na fronteira entre o Mato Grosso e o Pará. A ocupação foi o desfecho de uma série de atividades que reuniu o grupo na aldeia Teles Pires desde o sábado passado, e foi decidida durante o segundo encontro das mulheres mundurukurealizado em meados de maio na aldeia Santa Cruz, no município de Jacareaganga (PA).

Em documento divulgado na manhã deste domingo, os munduruku afirmaram que “nossos locais sagrados Karobixexe [as corredeiras de Sete Quedas do Teles Pires, inundadas pela UHE Teles Pires] e Deku ka’a foram violados e destruídos. Nossos ancestrais estão chorando, segundo nossos pajés. Os nossos rios Teles Pires e Tapajós estão morrendo. Nossos direitos, que estão garantidos na Constituição Federal, e que passaram a existir depois de muito sangue indígena ser derramado, estão sendo violados. Nem mesmo o nosso protocolo de consulta foi respeitado”.

No final de 2016, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) decidiu pela obrigatoriedade da realização de consulta prévia, livre e informada como prevê a Convenção 169 da OIT aos povos indígenas Kayabi, Munduruku e Apiaká, atingidos pela usina hidrelétrica de Teles Pires. A UHE São Manoel também impacta os três grupos.



Em 2014 os munduruku do Tapajós construíram um protocolo de consulta com base nas previsões da Convenções 169 que foi entregue ao então Secretário Geral da Presidencia, Miguel Rossetto, como representante do governo federal, em fevereiro de 2015. Desde então, apesar do endosso da Justiça, não foi dado nenhum encaminhamento a processos de consulta.

Além da destruição das corredeiras de Sete Quedas, a construção das hidrelétricas no rio Teles Pires também levaram à retirada de doze urnas mortuárias e vários artefatos arqueológicos com dimensão sagrada de uma região próxima a Sete Quedas. Estes crimes contra a espiritualidadedo grupo tem gerado muitas preocupações entre os munduruku.

“Depois de ouvirmos as mulheres munduruku, foi decidido que estaríamos aqui pacificamente no canteiro da hidrelétrica São Manoel por motivos e dores. A gente não está aqui invadindo. O único invasor é o governo, e as empresas responsáveis pelas hidrelétricas que estão sendo construídas no Teles Pires. Nós, povo Munduruku, estamos aqui em nosso local sagrado. Sabemos que nossa luta é legítima (…). Queremos que nossas pautas e reivindicações sejam atendidas e não sairemos daqui sem que isso aconteça”, afirmaram os munduruku em documento, divulgando posteriormente a lista de reivindicações (veja imagens abaixo). De acordo com as lideranças, neste domingo apenas a responsável pelo Plano Basico Ambiental Indígena (PBAI) foi ao canteiro para fazer contato com os manifestantes

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Caráter de urgência

Presidente da cooperativa de moto táxi em Jacareacanga, irá solicitar uma reunião de caráter de urgência com o gestor municipal
"Nós precisarmos melhor algumas pendências no trânsito"

domingo, 9 de julho de 2017

Será que entenderam ?

VIGIA NÃO É VIGILANTE: ENTENDA CADA FUNÇÃO
Entenda as diferenças entre as duas profissões e onde cada um pode atuar

Muita gente ainda não sabe qual é a diferença entre vigia e vigilante, embora exista essa confusão as profissões são bem diferentes. O vigia é, na maioria das vezes, informal e exerce funções bastante limitadas, enquanto o vigilante tem profissão reconhecida e regulamentada, que inclui variadas frentes de atuação.

A figura do vigia não está contemplada na legislação de segurança privada. Apesar de que, em alguns casos, ele realiza função semelhante ao do vigilante, este profissional não pode utilizar armamento e não é controlado pela Polícia Federal. Ou seja, o vigia não realiza os cursos de formação e reciclagem obrigatórios para o vigilante.

Por qual lei são regidos os vigilantes?
O vigilante é regido pela Lei 7.102/1983. Isso significa que são considerados como segurança privada. Sendo assim estão aptos a desenvolver as seguintes atividades: proceder à vigilância patrimonial das instituições financeiras e de outros estabelecimentos, públicos ou privados, bem como a segurança de pessoas físicas; realizar o transporte de valores ou garantir o transporte de qualquer outro tipo de carga.

Como se tornar um vigilante?
Para quem deseja se tornar um vigilante profissional é preciso preencher alguns requisitos tais como ser brasileiro; ter idade mínima de vinte e um anos; ter instrução correspondente à quarta série do primeiro grau. E ainda ter sido aprovado, em curso de formação de vigilante. Ter sido aprovado em exame de saúde física, mental e psicotécnico; não ter antecedentes criminais registrados; e estar quite com as obrigações eleitorais e militares.

Quando é necessário o uso de vigilante?
A função do vigilante se destina principalmente a resguardar a vida e o patrimônio das pessoas, exigindo porte de arma e requisitos de treinamento específicos.

É importante ressaltar que o serviço de vigilância deve ser executado por uma empresa especializada, como a Globalseg, que se tornou referência no setor por oferecer este e outros serviços na área de segurança com profissionalismo e eficiência.

Quais as funções de um vigia?
Em contrapartida o vigia normalmente realiza atividades de fiscalização dos locais, mas não é exigida nenhuma formação específica. Por não poder manusear arma de fogo, são responsáveis basicamente pela manutenção da ordem e segurança dos locais, priorizando a proteção do patrimônio, através da ronda local. Eles não têm a profissão regulamentada, não tem fiscalização e cursos específicos que orientem a sua formação.

Em relação às atividades exercidas, de forma objetiva, os vigias além de não serem especializados e atuarem de forma não ostensiva, realizam apenas serviços de vistoria do patrimônio fechado.

sábado, 8 de julho de 2017

Comitiva de vereadores de Jacareacanga realiza participação em reunião no interesse da municipalidade em ParanaÍta Mato grosso


Há muito se esperava que a Câmara Municipal de Jacareacanga se fizesse participar de um evento de tamanha envergadura como a que aconteceu nos dias 22 e 23 de Junho passado,  denominada Consulta Pública do Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno do Reservatório Artificial - PACUERA, na Hidrelétrica de São Manoel (Teles Pires). Participação decidida após discussão da Presidência da Egréja Casa de Leis na pessoa do Excelentíssimo Senhor Presidente Raimundo Acélio De Aguiar (PSD) e respectivos vereadores: Ivânia Maria Tosin de Araújo (PR)/ Antônio Mendes Cardoso (PT) / Elinaldo Crixi Munduruku (PMDB)/ Gerson Barbosa Manhuary Munduruku (PT) / Silvio Stedile (PSD)/ Márcio Gagarin Ribeiro de Queiroz (PTB),Edileuza Viana (PT), que foram acompanhados por suas respectivas assessorias.
Na ocasião; - No dia 22/06 ás 20h, estiveram presentes na Gleba de São Benedito, naquela oportunidade participaram da Consulta Pública do Plano de Uso do Entorno do Reservatório Artificial- PACUERA,  foi exposto o Processo do referido plano desde o início até o presente momento, mencionada que no mês de agosto deste ano é a data prevista para a conclusão do PACUERA. Naquele momento o Poder Legislativo de Jacareacanga-PA,  recebeu menção honrosa pelas significantes presenças dos parlamentares na respectiva Consulta Pública;
- No dia 23/06
    -Às 09h. Ocorreu participação na reunião com a Empresa São Manoel; Foram recebidos pelo Senhor Alysson Miranda (Assessor da Empresa) e Senhora Cleide Regina Rocha Santos (Coordenadora de Socioeconomia), oportunamente foi protocolado varios ofícios requerendo obras para a sede do município; construção da sede do Poder Legislativo(Câmara Municipal), alimentação para os indígenas acadêmicos que realizam cursos universitários na aldeia Sai-Cinza e construção da casa do artesanato da etnia Munduruku, solicitado cópia da prestação de contas entre a empresa e Município;
    -Às 13h. Reuniram-se com o Sindicato Rural Patronal da Cidade de Paranaita-MT - Na presença  do Sr. Presidente do Sindicato Ivan Moreno de Jesus e demais produtores rurais que fazem parte da Gleba  São Benedito,  debatendo-se à "arrecadação tributária" para o município de Jacareacanga, vale ressaltar que até o presente momento as devidas arrecadações sempre foram destinadas ao Município de Paranaita-MT;
 -No mesmo dia às 16:30h . Na cidade de Alta Floresta-MT;  participaram de reunião com a Empresa CHTP- Teles Pires,  foram recepcionados pelo Sr. Átila Macedo (Coordenador de comunicação social da Empresa CHTP)  e pela Senhora Marcileny Miranda (Coordenadora de Socioeonômia), onde foi protocolado ofícios solicitando infraestrutura para a sede do município e prestação de contas.
Encerrando as ações na mesma data retornaram a Paranaita-MT, às 19h participando da explanação do estudo que deu início a PACUERA,  foram acolhidos pelo prefeito de Paranaita-MT,  Tony Rufatto.
Em nem um momento se fez um trabalho com tamanha transparência num intuito de se subsidiar de informações e documentos  sobre as ações da construção da hidrelétrica de São Manoel (Teles Pires),como forma de garantir o direito de cidadania;  formatando uma nova visão de progresso para o Município de Jacareacanga.
Disse a nossa reportagem o Presidente Raimundo Acelio Aguiar : - Estamos fazendo nossa obrigação como legisladores e fiscalizadores do nosso município e um direito do cidadão jacareacanguense ter suas garantias constitucionais.

Por:Paulo Figueira

Rodeio de montaria 2017

Segunda informação dos organizadores,um dos maiores evento estará prestes acontece no mês de Setembro, mais uma vez Jacareacanga irá  sediar...